Logo Estácio


Teorias Organizacionais

Ementa: 1. Análise organizacional e paradigmas sociológicos; modelos de análise organizacional; objetividade vs subjetividade na abordagem da realidade organizacional. 2. A tradição funcionalista e seus desdobramentos contemporâneos; Teoria Institucional. 3. Organizações: simbolismo, interpretação e criação de sentido. 4. Abordagens críticas em administração: humanismo radical; estudos críticos de gestão (ECG).

 

 

Bibliografia:

AZEVEDO, C.M. A dimensão imaginária e intersubjetiva das organizações de saúde: implicações para o trabalho gerencial e para a mudança organizacional. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, Supl. 1, p. 977-986, 2010.

BORGES, Maria de Lourdes; GONÇALO, Cláudio. Learning process promoted by sensemaking and trust: a study related to unexpected events. Cadernos EBAPE.BR, v. 8, n. 2, paper 5, jun., 2010.

CUNLIFFE; A.; LUHMAN, J. Key concepts in organization theory. London: Sage, 2013.

CRUZ-SUAREZ, A.; PRADO-ROMÁN, A.; PRADO-ROMÁN, M. Cognitive legitimacy, resource access, and organizational outcomes. RAE, v. 54, n. 5, setembro-outubro, 2014.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. 7ª. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2011.

DiMAGGIO, Paul; POWELL, Walter. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. RAE, v.45, n.2, 2005.

FREITAS, Maria Ester. A questão do imaginário e a fronteira entre a cultura organizacional e a psicanálise. In: MOTTA, Fernando e FREITAS, Maria Ester (Orgs.). Vida psíquica e organizações. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

GAULEJAC, Vincent. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias&Letras, 2007.

LUBIT, Roy. O impacto dos gestores narcisistas nas organizações. RAE, v.42, n.3, p.66-77, 2002.

MASCARENHAS, A.O.; DIAS, S.L.F.G; BAPTISTA, R.M. Elementos para discussão da escravidão contemporânea como prática de gestão. RAE, v. 55, n.2, março-abril, 2015.

MORGAN, Gareth. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1999.

_______. Paradigmas, metáforas e resolução de quebra-cabeças na teoria das organizações. RAE, v.45, n.1, 2005.

NAKAYAMA, R.M.; TEIXEIRA, R.M. Esquemas interpretativos de dirigentes e fornecedores com relação a estratégias e ações de responsabilidade social: o caso da empresa O Boticário. Cad. EBAPE.BR, v. 10, n.1, artigo 5, março, 2012.

PITROWSKY, M.C.; COSTA, I.S.A.; SALLES, D.M.R. Imaginário organizacional e dimensão tácita do conhecimento: estudo de caso em empresa do segmento de telecomunicações. Brazilian Business Review - BBR, v. 11, n. 5, Art. 5, p. 102 - 123, set.-out., 2014.

ROSA, Alexandre; BRITO, Mozar. “Corpo e alma” nas organizações: um estudo sobre dominação e construção social dos corpos na organização militar. RAC, v.14, n.2, p.194-211, mar./abr., 2010.

ROSSONI, L.; MACHADO-DA-SILVA, C. Legitimidade, governança corporativa e desempenho: análise das empresas da BM&F Bovespa. RAE, v. 53, n. 3, maio/jun. 2013.

SALLES, D.; COSTA, I. Representações do trabalho: estudo sobre confinamento na indústria petrolífera. RAE, v.53, n.3, 2013.

VIEIRA, Marcelo; CALDAS, Miguel. Teoria Crítica e Pós-Modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. RAE, v.46, n.1, 2006.

WEICK, Karl E. Sensemaking in organizations. Thousand Oaks: Sage, 1995.

______.; SUTCLIFFE, Kathleen; OBSTFELD, David. Organizing and the process of sensemaking.

WOOD JR, Thomaz. Organizações de simbolismo intensivo. RAE, v.40, n.1, 2000.

WOOD Jr, Thomaz. Organizações espetaculares. Rio de Janeiro: FGV, 2001.