Histórico da CPA

O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior instituído pela Lei n° 10.861, de 14/04/2004, destacou a avaliação institucional como um processo permanente, planejado, conduzido e realizado de modo a transformar resultados em subsídios capazes de promover mudanças.

 

Em decorrência desta legislação e consoante com a prática já institucionalizada, foi constituída a Comissão Própria de Avaliação – CPA da FESJF, com o objetivo de coordenar e articular o processo avaliativo, atendendo os dispositivos legais e as exigências atuais do processo de avaliação.

 

As avaliações empreendidas pela FESJF, através das várias comissões que ao longo do percurso, tiveram esta atribuição, demonstraram o processo de evolução e o amadurecimento da instituição e de seus cursos.

 

Assim, em 2002.1, com o início dos cursos de graduação, foi realizada a primeira avaliação com uma aplicação de questionários aos professores.

 

Em 2002.2, uma equipe de profissionais da cidade de Juiz de Fora foi convidada a realizar e aplicar a avaliação dos professores.

 

Em 2003.1, os professores foram convidados e chamados para contribuir com uma proposta, apenas qualitativa de avaliação.

 

Em 2003.2, buscando uma contribuição maior dos professores, foi criada a COAPES, que se uniu, em convênio, a uma equipe de professores da área de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), por meio do Centro de Avaliação e Educação (CAEd).

 

No período 2004.1 e 2004.2, extinguiu-se a parceria com o CAEd e a nova proposta foi elaborada por uma nova composição da Comissão (COAPES), que teve a abrangência da comunidade acadêmica, egressos e membros da sociedade.

 

Nos períodos 2005.1, 2005.2 e 2006.1, a COAPES elaborou a primeira Proposta de Avaliação segundo as diretrizes lançadas pelo MEC através da Lei 10.861, de 14 de abril de 2004 que instituiu o SINAES e suas regulamentações.

 

Em 2006.2, a COAPES encerrou suas atividades, visando à nova comissão adotando a nomenclatura utilizada pelo MEC, passando a chamar-se Comissão Própria de Avaliação (CPA).

 

O ano de 2007 representa renovação em função dos novos membros que passam a compor a CPA. A FESJF recebe a Avaliação Institucional Externa que é um marco em termos avaliativos para a Instituição por ser a primeira do gênero e, principalmente, pelo seu resultado positivo que reflete a permanente busca pela excelência que é a tônica da Instituição.

 

Em 2008, a pesquisa passou por uma profunda reformulação a partir da troca de experiências avaliativas nas diversas Unidades da Estácio, onde os parâmetros, variáveis e análises passaram a compor um projeto amplo que serve de base para a tomada de decisões das respectivas CPA’s em todas as unidades da Estácio.

 

No ano de 2009 a Avaliação Institucional seguiu o mesmo método implantado no ano anterior, dando continuidade ao projeto de troca de experiências entre as unidades da Estácio, o que levou ao aprimoramento do instrumento avaliativo.

 

Esse projeto traz a experiência acumulada de todas as suas Unidades e Campi em todo o país, refletindo uma metodologia consistente e que permitirá o melhor acompanhamento do desempenho de cada unidade, além da análise comparativa dos índices atingidos acompanhados de uma reflexão acerca do desempenho institucional.

 

Através dessa trajetória de renovação, a FESJF demonstra a busca por uma maturação de seu processo avaliativo e de passos cada vez mais consistentes, e espera, a cada ano, obter um instrumento mais eficiente de avaliação institucional, dada a importância do mesmo para a manutenção, e melhoria, da qualidade de ensino ofertada por nossa Instituição. Para que tal objetivo seja alcançado, é de suma importância a divulgação dos resultados, a fim de que toda a comunidade acadêmica tenha conhecimento das constantes ações de melhoria provadas pelos mesmos.

 

A Avaliação Institucional da Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora para o ano de 2010 buscou acompanhar o resultado das avaliações anteriores, tendo em vista que o processo avaliativo implantado segue a mesma linha desde o ano de 2008, e ampliou a análise através dos resultados obtidos no ENADE, já que diversos cursos realizaram a dita avaliação.

 

Como referência, utilizou como parâmetro os quesitos já dimensionados em pesquisas anteriores visando à comparação de resultados, e ainda a busca de novos indicadores em sintonia com as pesquisas realizadas pelo Ministério de Educação, na medida em que os instrumentos se tornaram mais precisos e confiáveis, tendo em vista que um maior número de informações e avaliações proporciona uma visão mais ampla do estado em que a Instituição se encontra, e a participação dos diversos públicos tornou-se mais efetiva.

 

Além disso, com base nos quesitos supracitados, a autoavaliação para 2010 buscou não só a discussão no âmbito interno da CPA, bem como a participação de seus pares, visando à atuação mais efetiva preconizada pela Lei Nº 10.861, de 14 de abril de 2004, que instituiu o SINAES.

 

De 2932 alunos ativos no período, responderam à pesquisa 1830 alunos, o que resulta em um percentual de aproximadamente 62,42% de respondentes. Trata-se de um bom resultado, por ser superior aos 58,5% atingidos no período anterior.

Ações Permanentes

  • Elaboração dos Relatórios de Autoavaliação Institucional.
  • Análise anual e revisão do PDI frente às ações implementadas.
  • Apresentação da análise do PDI aos gestores para realinhamento do planejamento da IES.
  • Incentivo à adoção de práticas institucionais que consolidem e sistematizem progressivamente a autoavaliação institucional.
  • Realização de campanhas sistemáticas de conscientização e estímulo à participação de docentes e discentes na avaliação.
  • Incentivo à participação de toda a comunidade acadêmica (gestores, docentes, discentes e funcionários) na elaboração do projeto de cada setor/curso/campus, através da metodologia do empowerment.
  • Facilitação para o acesso aos instrumentos de avaliação (internet). 
  • Divulgação ampla dos resultados das avaliações para docentes e discentes através da CPA, Intranet e cartazes no campus/campi.
  • Assessoramento técnico-pedagógico aos gestores de cursos/campi, mediante realização de reuniões.
  • Compartilhamento dos resultados obtidos através do processo de autoavaliação (gráficos, relatórios, pareceres, recomendações etc.), com vistas à analise da situação e consequente planejamento de ações de melhoria.
  • Discussão e recomendação de ações de melhoria com base nos resultados das avaliações por parte dos cursos e campus/campi.
  • Preparação e acompanhamento dos processos regulatórios e das visitas in loco(avaliação da IES e dos cursos).
  • Análise dos resultados das avaliações externas e proposição/recomendações de ações de melhoria.
  • Acompanhamento dos Resultados do ENADE.
  • Participação nas proposições das ações para o ENADE.
  • Recomendações de ações de melhoria, com base nos resultados do ENADE.
  • Participação na elaboração e acompanhamento dos Planos de Melhoria  dos cursos e da IES, em função dos resultados – CPC e IGC.
  • Participação na elaboração dos Protocolos de Compromisso.
  • Acompanhamento da implementação das ações de melhoria.
  • Análise comparativa dos resultados das ações implementadas.
  • Manutenção do site da CPA.